fbpx

Conteúdo jurídico semanal
para você se manter informado!

EMais

colunistas

Photo by engin akyurt on Unsplash.

PANDEMIAS, MORTES E OS CEGOS DE FUTURO

Há menos de um mês, meu avô e a esposa faleceram em razão da Covid-19.

A partir daquele momento, para mim e meus familiares, os números da pandemia tomaram corpo. São nomes. Histórias. É o pai do meu pai (a quem aliás eu sequer pude confortar). É a percepção de que a partida seria solitária e fria – para todos nós. Foi sentir na pele a interrupção de nossos ritos mais antigos, pois na despedida não houve velório, nem cerimônia, só um caixão lacrado e a sensação de um hiato na garganta.

Aliás, foi nesse momento – de vulnerabilidade compartilhada – que me dei conta da assertividade da afirmação de Paulo Ferrareze Filho, pareceu-me, de fato, que muitos de nós só vão confrontar a si mesmos quando os caminhões estiverem cheios de cadáveres [1]. E, ousaria dizer mais, quando os cadáveres começarem a se amontoar perto de nós.

A partir daí, dispus-me a pensar, à luz do conhecimento produzido na área das ciências cognitivas e, sobretudo, nas teorias do processo dual do pensamento [2], nas possíveis falhas/ilusões cognitivas que tornam especialmente difícil a compreensão do momento vivenciado. Daí porque até mesmo pessoas minimamente sensatas e comprometidas com a coletividade, por vezes, não parecem conseguir assimilar a importância de medidas precaucionárias a fim de “achatar a curva” do coronavírus, tais como o isolamento social ou o uso de máscara.

Por óbvio, no Brasil, não podemos ignorar a gravíssima e proposital disseminação de falsas notícias, a fim de consolidar um inimigo comum (aqueles favoráveis ao isolamento) e assim amparar um [des]governo que se percebeu insustentável sem tal alegoria política. No entanto, a seguir, opto por explorar apenas as limitações de racionalidade decorrentes de processos mentais automáticos e da adoção de atalhos cognitivos, deixando de adentrar na insensibilidade enquanto projeto político de extermínio ao outro [enquanto necropolítica].

Nós cultivamos um desdém incapacitante pelo abstrato. Curvas de modelos estatísticos, análises preditivas e modelos matemáticos não nos dizem nada ou, quando o fazem, suas informações ficam disponíveis por pouco tempo na memória, eis que não disparam emoções ou sensações. Você já deve ter experienciado estar em uma discussão e, ao fazer menção a dados estatísticos, ouvir em contraposição: “Ah, mas eu tenho um amigo que conhece uma pessoa que…”. Assim agimos porque nossos processos cognitivos favorecem o pensamento contextual: nós nos fiamos discursivamente a exemplos concretos.

Aliás, não se trata tão somente de uma ignorância em relação a noções que circundam probabilidades, uma vez que a mesma insensibilidade pode se dar em relação a números absolutos. Como disse Madre Teresa de Calcutá: “Se eu olhar para as massas eu nunca vou agir. Se eu olhar para o indivíduo, eu vou”. No mesmo sentido é a tão conhecida frase atribuída a Stalin: “Uma morte é uma tragédia; 1 milhão é estatística” [“E daí?”]. Tais citações refletem duas formas contrapostas de agirmos a depender da escala. Em uma escala local, pequena, nós nos orientamos no sentido de evitar a causação de danos aos outros, pois percebemos concretamente o resultado dos nossos atos.

Em escala grande, os outros tornam-se itens abstratos, números em um gráfico, há uma difusão de responsabilidades que ameniza a percepção dos danos eventualmente causados.

Nós não sabemos lidar com não eventos. Apesar da aparente obviedade de tal afirmação, o bloqueio/dificuldade de registrar racionalmente aquilo que não se vê tem sérios impactos na forma como lidamos com problemas sociais. Um exemplo bastante pertinente para o momento é o desprestígio da prevenção [que é um não evento] e a correlata preferência por medidas posteriores a eventos danosos. Sob esse aspecto, as mortes evitadas em decorrência da adoção de medidas de precaução por Governadores e Prefeitos – sendo não eventos – dificilmente são recompensadas/celebradas como deveriam. A maioria de nós só consegue olhar para o que aconteceu, ignorando o que poderia ter acontecido.

Nossa cegueira ao futuro. Se eu peço para você se imaginar no futuro, sua tendência é idealizá-lo como uma projeção de suas experiências passadas [um amanhã imaginado é um outro ontem]. Nossos esquemas mentais não são equipados para enxergar o futuro misturado com o acaso. Esse é um ponto cego cognitivo: não conseguimos adicionar aleatoriedade ao futuro, pois aleatoriedade é opacidade, ausência de informação. Temos portanto, efetivamente, “cegueira ao futuro” [3]. Daí porque é tão difícil conseguir entender modelos preditivos e, em especial, aqueles relacionados a riscos complexos, sistêmicos, multiplicativos e imprevisíveis.

Pois bem. Com o coronavírus há ainda um fator agravante, as nossas ações ou inações (por ex, afrouxamento do isolamento social) e os resultados dessas ações (por ex, o aumento do número de mortos) estão diluídos no tempo, há um hiato temporal entre eles. Os resultados das medidas que adotamos ou deixamos de adotar hoje vão aparecer daqui a quinze ou vinte dias. Assim, os custos de isolar-se socialmente são imediatos, enquanto os benefícios demoram a aparecer. Da mesma forma, os supostos [mas fictícios] benefícios de afrouxar o isolamento social aparecem agora, enquanto os custos [eventos danosos latentes] demoram a aparecer. E nós, seres humanos, não nos sentimos atraídos a agir quando uma ação tem benefícios abstratos no futuro, mas envolvem uma série de esforços concretos no presente.

Viés otimista. A isso se soma a tendência a superestimar a ocorrência de eventos positivos e subestimar a ocorrência de eventos negativos em nossas vidas. Esse mesmo viés faz com que, não raras vezes, as pessoas tomem decisões arriscadas em relação à saúde (v.g. fazer sexo desprotegido a despeito dos riscos racionalmente conhecidos).
Em suma, momentos como o presente desafiam a nossa racionalidade e suas armadilhas cognitivas. Há obstáculos decorrentes da própria forma como nossos processos mentais funcionam e ultrapassá-los demanda o engajamento de raciocínio demorado, analítico e deliberado.

E vencer tais limitações a fim de amparar ações e decisões que se voltem à preservação do outro é um dever que o momento impõe. Como nos lembra Hannah Arendt: “Os mortos, ao serem esquecidos, morrem uma segunda vez” [4]. Nossos mortos não merecem tal destino. Que os nossos passos vacilantes em direção ao amanhã sejam dados com o respeito à história e à memória daqueles que morreram em decorrência das decisões de ontem.

 

 

Notas

[1] FERRAREZE FILHO, Paulo. Só atentamos depois que os caminhões estão cheios de cadáveres. Caos Filosófico. 2020. Disponível em: https://caosfilosofico.com/2020/03/22/so-aprendemos-com-caminhoes-cheios-de-cadaveres/. Acesso em: 12 maio. 2020.

[2] Eu e Alexandre Morais da Rosa tratamos das teorias do processo dual do pensamento e seus efeitos na tomada de decisão penal no livro: Vieses da Justiça: como as heurísticas e vieses operam nas decisões penais e a atuação contraintuitiva, Florianópolis: EMais, 2018.

[3] TALEB, Nassim Nicholas. Cisne Negro: O impacto do altamente improvável. trad. Marcelo Schild. 10. ed. Rio de Janeiro: BestBusiness, 2016, p, 250.

[4] ARENDT, Hannah. Sobre a Revolução. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras. 2011, p. 14.

Photo by Jeremy Bishop on Unsplash.

A REALIDADE DEVE SER O FILTRO DAS NOSSAS AÇÕES E IDEIAS

“A saúde tem a ver com aceitar, perceber e lidar com a realidade nos termos da realidade”.

(Health is about accepting, and perceiving and dealing with reality on reality’s terms).

– Citação extraída do desenho: Midnight Gospel

 

Enquanto movimentos anticiência/anti-intelectuais vicejavam nos meios virtuais, a maioria de nós tendia a enxergá-los como motivadores de riso.
 
No entanto, agora, com a pandemia provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, começamos a perceber que as decisões tomadas por estes movimentos negacionistas afetam a saúde pública e exercem efeitos concretos na realidade.
 
Na vida real, os cadáveres ocupam espaço e se amontoam. E, a despeito da realidade dos corpos, ainda nos assombram argumentos falaciosos de que a economia está sendo danificada pela reação ao vírus [e não pelo vírus em si mesmo, pela pandemia em si].  
 
Ansiamos que logo prevaleça a percepção de que a origem da crise está na falta de uma reação antecipada – e mais rigorosa – a uma pandemia que se anunciou e cujos efeitos imprevisíveis e multiplicativos demandavam medidas de precaução mais enérgicas.
 
Em linhas gerais, este é o motivo pelo qual é absolutamente inapropriado comparar as mortes decorrentes da Covid-19 com mortes por acidente de trânsito ou com pessoas que morrem engasgadas todos os anos – como o fez por lacuna cognitiva [1]  ou má-fé certo comentarista de TV. Mortes por acidente de trânsito e por engasgamento não são contagiosas e multiplicativas [já a imbecilidade parece ser] e, sobretudo, não tem efeitos inesperados.
 
Nesse contexto, é fácil entender a razão pela qual o Presidente sente-se confortável a convocar seus seguidores para se envolverem em ações tendentes a afrouxar o isolamento social, já que estas têm benefícios/impactos econômicos pequenos e visíveis (imediatos), mas efeitos colaterais graves e invisíveis (para o futuro). Frise-se, a absoluta imprevisibilidade dos efeitos da COVID-19 tornam impossível de se adotar medidas baseadas em evidências (evidence-based), por isso o princípio da precaução indica que se tomem medidas que podem parecer extremas, mas que em face da imprevisibilidade tornam-se necessárias. Ao agir em sentido contrário, o Governo joga roleta-russa com as nossas vidas.
 
Nota
[1] Devo creditar tal expressão à Marcia Tiburi.
DICA DA SEMANA
Reprodução. Netflix.

Midnight Gospel

Desenho - Primeiro episódio

Para aqueles que gostam de desenhos e/ou para os estudiosos da fracassada política de “guerra às drogas”, o primeiro episódio do desenho Midnight Gospel é um deleite. Lisérgico e denso, o episódio se desenvolve em torno de uma conversa franca a respeito de substâncias psicoativas.

COMPARTILHE COM ALGUÉM
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
COMENTÁRIOS

Carrinho

0

Nenhum produto no carrinho.

Tecle Enter para pesquisar e Esc para fechar