fbpx

Conteúdo jurídico semanal
para você se manter informado!

EMais

colunistas

Photo by Cullan Smith on Unsplash

Os limites da negociação de benefícios na colaboração premiada pós Lei Anticrime

Chegou a hora de eu manifestar oficialmente a minha opinião sobre a principal alteração dentre as muitas feitas pela Lei Anticrime no instituto da colaboração premiada. Já adianto que minha opinião permanece a mesma, desde 2018 😀

O tema principal da primeira edição do meu livro publicado aqui na EMais é a defesa da possibilidade de negociação de benefícios extralegais ao colaborador. À época em que escrevi o livro, a Lei n. 12.850/13 nada dizia expressamente sobre até onde se poderiam negociar os prêmios, e a realidade dos acordos de colaboração premiada firmados na Operação Lava Jato era a de benefícios muito além dos previstos no caput e §§ 4º e 5º do art. 4º da Lei n. 12.850/13 – perdão judicial, redução da pena privativa de liberdade em até 2/3, substituição por restritiva de direitos, progressão de regime ou não oferecimento da denúncia.

Como eu gosto muito de fazer na minha vida acadêmica e profissional, na obra eu aliei teoria à prática e, com base no que já tínhamos de acordos homologados pelo Judiciário, portanto, produzindo efeitos no mundo jurídico, na ausência da limitação por parte do legislador em fixar que o rol de benefícios seria taxativo e aguardando o posicionamento do STF sobre o tema, que até hoje não foi decidido, eu sustentei que poderíamos negociar benefícios penais e extrapenais para além dos previstos em lei, desde que mais benéficos ao colaborador e dentros dos limites constitucionais e do Estado Democrático de Direito.

Tema bem polêmico. Que continua ainda muito polêmico, porque a Lei Anticrime alterou a Lei n. 12.850/13 para nela inserir o seguinte inciso no sétimo parágrafo:

§ 7º Realizado o acordo na forma do § 6º deste artigo, serão remetidos ao juiz, para análise, o respectivo termo, as declarações do colaborador e cópia da investigação, devendo o juiz ouvir sigilosamente o colaborador, acompanhado de seu defensor, oportunidade em que analisará os seguintes aspectos na homologação: […]


II – adequação dos benefícios pactuados àqueles previstos no caput e nos §§ 4º e 5º deste artigo, sendo nulas as cláusulas que violem o critério de definição do regime inicial de cumprimento de pena do art. 33 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), as regras de cada um dos regimes previstos no Código Penal e na Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984 (Lei de Execução Penal) e os requisitos de progressão de regime não abrangidos pelo § 5º deste artigo;


Resumindo: todo benefício que vá além daqueles previstos em lei será nulo.

Achei bastante radical e temerosa a opção feita pelo legislador, que, na minha opinião, retira quase que por completo a utilidade do instituto da colaboração premiada. Isso porque o instituto possui uma complexidade enorme inerente a si mesmo. É uma técnica de investigação e um meio de obtenção de prova que serve para casos excepcionais, em que o Estado por si só não conseguiu obter provas dos delitos cometidos por uma organização criminosa.

E além da sua excepcionalidade, é uma negociação de alto risco, com consequências inimagináveis em várias esferas, tanto na persecução penal e na forma de atuação dos representantes do Estado, quando na vida pessoal, profissional e social do pretenso colaborador.

Aquele que decide colaborar com a justiça automaticamente assume uma posição de exposição tão grande e arriscada que, para que se sinta seguro dessa decisão, é preciso que haja uma negociação contundente e real dos benefícios que se enquadre às especificidades do caso concreto e da pessoa do colaborador, capaz de estimulá-lo a tomar a decisão de se expor e colaborar com a Justiça, confessando a prática criminosa e entregando provas dos delitos cometidos.

A partir do momento que se retira essa liberdade negocial das partes com uma vinculação engessada ao que está expressamente previsto em lei, eu penso que estamos violando toda a essência do instituto – que é a autonomia da vontade das partes, a lealdade, a confiança e a boa-fé.

Por isso discordo da limitação tão taxativa feita pela Lei Anticrime. Sempre defendi que a colaboração premiada precisava sim de melhor disciplina legal e maiores limitações, como foi feito também pela Lei Anticrime, de forma acertada, ao ampliar a regra de corroboração, por exemplo, tema que já tratei em coluna anterior.

Mas com a redação do inciso II do §7º, sinceramente não sei como será o futuro da colaboração premiada na prática.

Como diz o mestre Alexandre Morais da Rosa, o mercado da colaboração se encontra desaquecido. Estamos de olho para ver se ele voltará a esquentar ou não.

DICA DA SEMANA

A lógica do cisne negro - Nassim Nicholas Taleb

Livro

Vou recomendar um dos livros que estou lendo no momento. Grande e complexo, aborda muitos temas, mas, principalmente sobre como nossas crenças são limitadas, como somos incapazes de fazer previsões acertadas e como devemos saber lidar com o improvável e o inesperado. Sabe aquele livro inteligentíssimo que você precisa ler com muita atenção para entender o raciocínio? É desses. Mas vale o desafio por proporcionar insights e reflexões profundas tanto na vida pessoal como na vida profissional. Resumindo, tenho encarado relacionamentos, forma de comunicação e até a minha advocacia de uma forma diferente lendo esse livro.

Principalmente as negociações. E olha que ainda estou na metade!

 
COMPARTILHE COM ALGUÉM
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
COMENTÁRIOS

Carrinho

0

Nenhum produto no carrinho.

Tecle Enter para pesquisar e Esc para fechar