fbpx

Conteúdo jurídico semanal
para você se manter informado!

EMais

colunistas

Ano de 2020: novos casos de censura de livros no Brasil

Neste mês de fevereiro me deparei com duas notícias absolutamente assustadoras: a Secretaria de Educação de Rondônia distribuiu um memorando e uma lista de livros para serem recolhidos das escolas por supostamente conterem “conteúdos inadequados” a crianças e adolescentes.

Depois da péssima repercussão da notícia, a medida foi revogada. E mais recentemente, o governo do estado de São Paulo vetou uma lista de livros doados por 4 grandes editoras nacionais – Record, Planeta, Todavia e Boitempo, que fazem parte do Programa Remição em Rede, voltado ao estímulo à leitura em penitenciárias do Estado.

Sem qualquer explicação, os 240 exemplares dos 12 títulos doados não foram remetidos aos estabelecimentos prisionais. As organizadoras do projeto foram em busca de informações e souberam que na lista havia(m) título(s) que, “diante das novas propostas da gestão atual, não atende ao que se espera para a população atendida pela Funap”, sem informar qual ou quais obras seriam as censuradas.

Segundo a Folha de São Paulo, 12 livros formam a lista: “As Cartas Que Não Chegaram”, de Maurício Rosencof; “Vá, Coloque Um Vigia”, de Harper Lee; “Crônica De Uma Morte Anunciada”, de Gabriel Garcia Márquez; “O Estrangeiro”, de Albert Camus; ”O Fim de Eddy”, de Édouard Louis; “O Amor Que Sinto Agora”, de Leila Ferreira; “Bonsai”, de Alejandro Zambra; “Caderno de Memórias Coloniais”, de Isabela Figueiredo; “O Quarto Branco”, de Gabriela Aguerre; “Enquanto Os Dentes”, de Carlos Eduardo Pereira; “Cabo de Guerra”, de Ivone Benedetti; e “Paisagem de Outono”, de Leonardo Padura.

Depois da tentativa pífia de censura a uma obra que continha como personagens um casal homoafetivo, na Bienal do Livro do Rio de Janeiro do ano passado (tema abordado na minha coluna de 11/09/19), eu pensei que os governantes deste país teriam entendido o recado de que a censura à obras literárias é intolerável num país democrático.

E no caso da censura dos livros do Projeto Remição em Rede, como vamos crer na ressocialização e na finalidade educativa da pena se, além de se tolher a liberdade física do indivíduo, ainda se busca obstruir a liberdade intelectual?

Pelo visto, ainda temos um longo caminho pela frente de amadurecimento institucional, valorizando verdadeiramente a educação e sem incorrer em intolerância e preconceitos.

Remição da pena através da leitura

A Lei n. 7.210/84 – Lei de Execução Penal (LEP) – disciplina, nos seus artigos 126 a 129, a remição da pena privativa de liberdade. De forma simples, remição da pena é o abatimento de dias da pena pela qual o sujeito foi condenado, através de uma contrapartida que, a depender da infraestrutura do local onde se cumpre a condenação, poderá se dar através de trabalho ou de estudo. A LEP menciona estudo presencial ou por metodologia de ensino à distância, mas nada fala sobre remição pela leitura. Por isso, em 2013, o Conselho Nacional de Justiça emitiu a Recomendação n. 44, que dispõe sobre atividades educacionais complementares para fins de remição da pena pelo estudo e estabelece critérios para a admissão pela leitura. Destaco as seguintes informações, constantes no artigo 1º, V, alíneas “a” a “j”: a remição pela leitura deverá ser estimulada nas unidades prisionais estaduais e federais, assegurando que a participação do preso se dê de forma voluntária, sendo a ele disponibilizado um exemplar de obra literária, clássica, científica ou filosófica, a depender do acervo. O critério objetivo para aferição da leitura será o prazo de 21 a 30 dias para a leitura da obra, apresentando ao final do período resenha a respeito do assunto, possibilitando, segundo critério legal de avaliação, a remição de 4 dias de sua pena e ao final de até 12 obras efetivamente lidas e avaliadas, a possibilidade de remir 48 dias, no prazo de 12 meses. Cabe ao Juiz da Execução Penal avaliar a resenha e decidir sobre o aproveitamento da leitura realizada. 

DICA DA SEMANA

Quem me conhece ou me acompanha por aqui sabe o quão profunda é a minha relação com os livros. Minha vida é pautada na leitura e na descoberta de novos mundos, autores e conhecimentos. E em razão disso eu sempre busco estimular as pessoas ao meu redor a lerem mais. Minha dica de hoje é que você inclua nas suas metas anuais a leitura de ao menos 1 livro por mês, de qualquer tamanho, de qualquer tema. 12 livros é um número bem plausível e inclusive segue o número estipulado na Recomendação n. 44 do CNJ! E ainda há tempo de começar! Na última coluna do ano eu vou perguntar por aqui se vocês seguiram meu conselho, viu? 

E se você está precisando de um empurrãozinho para escolher os livros, nos meus destaques do Instagram “Dicas: Livros” tem mais de 30 sugestões de obras que li recentemente e super recomendo 🙂 espero que gostem! 

COMPARTILHE COM ALGUÉM
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
COMENTÁRIOS

Carrinho

0

Nenhum produto no carrinho.

Tecle Enter para pesquisar e Esc para fechar