fbpx

Conteúdo jurídico semanal
para você se manter informado!

EMais

colunistas

Photo by Quino Al on Unsplash

Passar de oponente a componente é tarefa da escuta

Competir significa entrar em concorrência com os outros, rivalizar-se. Já cooperar significa atuar em conjunto com outras pessoas buscando um mesmo fim, contribuir e colaborar.

No livro o “Palhaço e o Psicanalista: como escutar os outros pode transformar vidas”, o psicanalista Chistian Dunker e o palhaço Cláudio Thebas afirmam que fomos naturalmente educados para competir “por cada palmo de chão, por cada instante de fala, por mais reconhecimento, por tudo”.

A teoria dos jogos pode nos ajudar a explicar tal comportamento. Ela mostra que, ao competirmos, operamos com uma lógica de escassez, em que os recursos são poucos e limitados, razão pela qual investimos em táticas que levam ao ganha-perde. Por esse motivo, na competição o papel do outro é de concorrente, inimigo.

Por outro lado, na cooperação operamos com uma lógica de abundância, no sentido de que há espaço e lugar para todos, razão pela qual investimos em táticas que levam ao ganha-ganha. Na cooperação o papel do outro é de colaborador, de aliado.

Mas como mudar essa lógica e sermos mais cooperativos? Quais recursos podemos destacar para efetivar uma mudança? Se cooperarmos, teremos menos conflitos?

Para os autores Dunker e Thebas, transitar do modo competição para o modo cooperação, passando de oponente a componente é tarefa da escuta. Mas isso não significa que precisamos criar uma disciplina para ensinar a escutar, porque ela é uma ética que precisa ser praticada.

Na opinião dos autores, ao incentivarmos a cultura da cooperação – que tem como percurso a escuta, não teremos menos conflitos. Contudo, algo acontece de diferente: o ambiente cooperativo permite que os conflitos venham à tona sem que ocorra um confronto entre os envolvidos. Ao escutar, não necessariamente as pessoas vão concordar, mas podem encontrar abrigo, empatia. No ambiente da cooperação é possível até mesmo polemizar e tensionar posições, mas não com o objetivo de aniquilar o outro, mas sim de instigá-lo e, quem sabe, despertá-lo para algo novo.

Portanto, sintonizemos o canal da cooperação, da escuta. Sejamos abrigo. Despertemo-nos!


Referências

DUNKER, Christian; THEBAS, Cláudio. O palhaço e o psicanalista: como escutar os outros pode transformar vidas. São Paulo: Planeta do Brasil, 2019.


Fiquem agora com o texto da minha aluna Julia Rodrigues Zaccarão, acadêmica de Direito da Unisociesc Continente, criadora do IG do instagram mapas_mentais_direito, que assim como a nossa colunista Viviane Amorim, mostra que a cooperação pode nos ajudar a criar táticas em que todos ganhem.

Até quarta que vem! 😊

A importância dos mapas mentais na educação jurídica

Muitas pessoas me perguntam o porquê de eu fazer mapas mentais para os meus estudos se eles demoram mais tempo de execução do que um resumo linear. A resposta é simples: os mapas mentais são de grande auxílio na hora de revisão, contando com um processo de estudo dinâmico e interessante, que facilita a recapitulação do conteúdo de forma prática e ágil. É ótimo para estudantes que contam com um tempo curto para os estudos.

Quando iniciei a faculdade de Direito, já tinha claro a minha meta de passar em um concurso público. Assim, sabia que todo o material que eu utilizasse durante o curso seria de grande proveito no futuro. Pensando nessa ideia, iniciei pesquisas para tornarem os mapas mentais mais eficientes e organizados, começando logo sua produção para utilizá-los nas provas da faculdade.

Notei que meus colegas se interessaram pelo meu material, realizando grupos de estudo e utilizando os meus mapas mentais como base para o aprendizado. Logo, percebi que eu conseguiria contribuir para o estudo de não só meus amigos da faculdade, como de outras pessoas, e então surgiu a ideia da página no Instagram para a divulgação do meu trabalho.

O material da conta @mapas_mentais_direito foca no que é cobrado em provas de concurso, utilizando técnicas de memorização e organização, de maneira que prenda a concentração e foco do estudante durante o processo, visando, principalmente, a contribuição dos estudos com um material melhor e de fácil acesso aos estudantes. Siga clicando 
aqui

 
DICA DA SEMANA

O Palhaço e o Psicanalista: Como escutar os outros pode transformar vidas

Livro

Espero que tenham gostado da coluna de hoje! Como falei de cooperação e escuta ativa, a dica da semana é o livro “O Palhaço e o Psicanalista: Como escutar os outros pode transformar vidas”, do psicanalista Christian Dunker e o do palhaço Cláudio Thebas. Na obra, os autores abordam um tema comum de suas profissões: escutar. A partir de suas experiências e reflexões, compartilham o que aprenderam sobre a arte da escuta, um tema tão urgente no mundo atual. 

COMPARTILHE COM ALGUÉM
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
COMENTÁRIOS

Carrinho

0

Nenhum produto no carrinho.

Tecle Enter para pesquisar e Esc para fechar