fbpx

Conteúdo jurídico semanal
para você se manter informado!

EMais

colunistas

Photo by Paolo Nicolello on Unsplash

A advocacia criminal através do espelho (e o que ela encontrou lá)

Este texto foi originalmente publicado no Canal Ciências Criminais¹ , em 27 de setembro de 2019. A atualidade do ambiente em que escrito e o carinho que nutro pela personagem fantástica de Carroll motivaram-me a reproduzi-lo nesta coluna, com breves e pontuais alterações.

“Havia um livro sobre a mesa, perto de Alice, e, enquanto observava o Rei Branco (pois ainda estava um pouco apreensiva com relação a ele, e pronta a lhe jogar a tinta, caso voltasse a desmaiar), folheou suas páginas, encontrando um trecho que não conseguia ler – ‘é todo em alguma língua que não sei’, disse para si mesma. […] Quebrou a cabeça por algum tempo, mas por fim lhe ocorreu uma ideia luminosa. ‘Ora, este é um livro do Espelho, claro! E se eu o segurar diante de um espelho as palavras vão aparecer todas na direção certa de novo.” (Lewis Carroll)

Qual não fora a surpresa de Alice ao perceber que, atravessando o espelho de casa, em uma tarde fria de inverno, seria tragada para uma aventura inesperada através de um mundo surreal em que as coisas estão do avesso e a realidade, suspensa, se reconstrói de maneira inusitada, pela interveniência de personagens fantásticas rumo a um confuso e pitoresco jogo de xadrez.

A literatura nonsense de Lewis Carroll, para além do diletantismo oferecido pelas narrativas fabulosas e surreais que envolvem a mais famosa de suas personagens, vem aqui invocada como paralelo para uma crítica – talvez menos saborosa que os contos infantis – sobre o imenso desafio que encerra o fazer da advocacia.

Qual Alice, o que se tem vivenciado nas trincheiras da defesa é exatamente a demanda outorgada pelo autor àquela personagem: atravessar um confuso e pitoresco jogo de xadrez, em um mundo em que as coisas parecem estar do avesso.

A despeito dos claros comandos hauridos em diversos dispositivos legais, especialmente os disciplinadores do sistema processual penal, desde a Constituição – passando pelo Código de Processo Penal – até as leis penais e processuais penais extravagantes, a expectativa (que amiúde se confirma cada vez mais fantasiosa) de estabilidade normativa, num piscar de olhos cede lugar ao absurdo, ao inexplicável. E como nas desventuras de um conto, de repente, está tudo de pernas para o ar e a segurança jurídica pretensamente encaminhada pela norma escorre, fluida, desaparecendo lentamente em essência e concretude, embora ainda presente no texto inerte da lei.

A densidade normativa faz as vezes do Gato de Cheshire, que desaparece deixando para trás o seu largo sorriso. “Um sorriso sem gato”, como descreve Carroll, na construção do ambiente narrativo do País das Maravilhas. É assim que se têm apresentado, ao cidadão alvo das agências punitivas do Estado, inúmeras salvaguardas normativas: letra sem densidade normativa. Está escrito, mas não “vale”. Está ali, mas não está.

A sistemática do cross examination inequivocamente estabelecida pela Lei n.º 11.690/08, inscrevendo de modo objetivo no art. 212, do Código de Processo Penal a limitação da ingerência judicial na construção da prova oral, por exemplo. Inobstante a clareza e univocidade de sentido, não raro a defesa se depara, ainda, com a necessidade de administrar o inexplicável e de batalhar para que se devolva a compreensão da norma em respeito aos mais elemntares limites e possibilidades da linguagem.

Se as perguntas devem ser formuladas pelas partes, diretamente às testemunhas, podendo o juiz complementar (frise-se: complementar) a inquirição, como fazer quando o juiz inicia a inquirição tomando para si o encargo instrutório imanente à pretensão acusatória estatal, explodindo qualquer fronteira das possibilidades hermenêuticas do texto? Vê-se logo que, no jogo para o qual convidada a defesa, as regras previamente supostas não se verificam nas metarregras cotidianamente “impostas”, estupefazendo e desafiando a capacidade criativa do advogado nos mesmos moldes que experimenta o leitor de uma fábula, ao se defrontar, na narrativa, com coelhos que falam, lagartas de fumam, ratos que tomam chá e cartas de baralho que se pretendem imperadoras.

Tudo parece estar do avesso, e este é apenas um singelo exemplo. Tantos outros poderiam ser invocados:

O desrespeito notório ao comando das súmulas vinculantes n.º 11 e n.º 14, do Supremo Tribunal Federal, por inúmeros juízos país afora, que insistem em manter algemas cerradas com base em fundamentações prêt-à-porter, violando o estado de inocência do preso sem sequer indício de culpa formada, ou, ainda, em negar acesso, à defesa, a autos de investigações preliminares como expediente lateral e duvidoso de ganho de competitividade acusatória no jogo do processo, uma clara evidência do que MORAIS DA ROSA (2016) chamará de dopping processual.

A (in)explicável sustação da eficácia, por decisão (monocrática, vale frisar) exarada nas ADIs 6.298, 6.299, 6.300 e 6.305, dos dispositivos que carimbam a figura do juiz de garantias e o cariz inequivocamente acusatório no processo penal brasileiro, perpetuando a metástase da cultura inquisitória no sistema de justiça criminal.

Ou, ainda e, para arrematar, a deliberada cegueira em relação às prerrogativas profissionais da advocacia, insculpidas na Lei n.º 8.906/94, cuja eficácia e validade parece ser posta de lado por inúmeras autoridades, como a criança que se recusa a renegar o mundo fantástico, lúdico, onírico, onde crê que “pode tudo”, para novamente aportar na realidade, quando finda a leitura do conto, ou quando acaba a brincadeira.

Está tudo ao avesso e, talvez, uma leitura mais republicana e intelectualmente honesta do Texto Constitucional possa fazer as vezes de espelho, viabilizando o resgate de uma lucidez cada dia mais etérea. Uma atuação mais segura, firme (mas sem perder a elegância) possa, quem sabe, devolver o exercício da defesa a um ambiente em que as regras do jogo sejam, efetivamente, respeitadas. Em que não seja necessário imaginar o inimaginável ou combater ideias grotescas para o estabelecimento razoável do direito de defesa.

Afinal, parafraseando O Gato: para quem não conhece o destino, qualquer caminho serve. Está tudo ao avesso e a advocacia criminal precisa saber onde quer chegar.

CARROLL, Lewis. Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho (e o que Alice encontrou por lá). Zahar, 2010.

MORAIS DA ROSA, Alexandre. Guia compacto do processo penal conforme a teoria dos jogos. 3. ed. Florianópolis: Empório do Direito, 2016

[1] Disponível em: < https://canalcienciascriminais.com.br/a-advocacia-criminal-atraves-do-espelho-e-o-que-ela-encontrou-la/>

DICA DA SEMANA
Foto: https://pt.wikipedia.org/wiki/O_Mecanismo

O Mecanismo

Série Netflix

Sem prejuízo da licença ficcional de uma produção televisiva, a série retrata o ambiente das investigações conduzidas no âmbito da operação Lava Jato, incitando a reflexão sobre as (no mínimo duvidosas) relações interinstitucionais entre polícia, acusação e juízo e como poderia sobreviver (se é que poderia) a paridade de armas em relação à defesa naquele “ecossistema”.

COMPARTILHE COM ALGUÉM
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
COMENTÁRIOS

Carrinho

0

Nenhum produto no carrinho.

Tecle Enter para pesquisar e Esc para fechar