fbpx

Conteúdo jurídico semanal
para você se manter informado!

EMais

colunistas

Mulheres exaustas e o divórcio

De maior ou menor grau as mulheres ultrapassaram a ideia de dupla jornada (casa + trabalho), para sabe Deus quantos pratos precisam equilibrar!

Tal demanda tem refletido nos escritórios de advocacia familiar – e nos consultórios de psicoterapia. A consequência? Cada vez mais mulheres são autoras dos pedidos de divórcio.

Segundo a Universidade de Stanford Michael J. Rosenfeld, que descobriu que as mulheres dão início a 69% dos pedidos de divórcio, contra 31% dos homens.

De início, alguns cientistas atribuíram a diferença ao fato de que as mulheres seriam mais suscetíveis aos altos e baixos da relação. Mas Rosenfeld encontrou um outro dado que quebra essa ideia: “Entre os casais não casados, ambos os sexos pedem o término de forma igual. Enquanto isso, nos casais casados, as mulheres são predominantes entre os que querem romper”.

Bom a razão eu escuto semanalmente em minha poltrona: infelicidade. Sim, as mulheres são menos felizes no casamento do que os homens. Muitas se sentem exaustas tamanha demanda de responsabilidade que recaí sobre seus ombros, mesmo que os dois trabalhem fora, ou até mesmo quando a mulher ocupa maior cargo ou recebe maior salário, será ela também a responsável pelas atividades do lar, dos filhos, do marido e quando não da família extensa. Ou seja, em que momento é possível olhar para si?

No Brasil, por exemplo, mulheres que trabalham fora passam 27 horas por semana cuidando do lar – contra apenas 12 horas os homens.

De modo exemplificativo, uma pesquisa recente feita pela Neuropediatra Luciane Baratelli na página “Neuro sem neura” (@neurosemneura), questionou os homens o quanto eles se sentiam participativos na vida dos seus filhos. Dos participantes, 75% respondeu que sim. No entanto, quando as perguntas levaram ao tema de “Quantas vezes você falou frases como” e as questões levavam a reflexões relativas a atividades de paternidade como organização de higiene pessoal, saúde e atividades escolares, por exemplo a participação caia consideravelmente.

Muitos casais que chegam aos escritórios de advocacia passaram por estresse e conflitos parecidos com o da enquete, mesmo quando as mulheres narram que os homens desempenham bem suas funções paternas e ou do lar, elas ainda assim atuam em 90% das demandas.

Qual a minha conclusão?

As mulheres estão exaustas. E com razão. E a solução é uma reconstrução social cada vez mais necessária: casais mais próximos que adotem uma abordagem efetivamente mais igualitária para cuidar dos filhos estarão menos propensos a se divorciar.

As mulheres na maioria casos não querem o divórcio, só querem alguém que pegue na mão e diga, vamos juntos?

Com carinho Alliny

  • A pesquisa estudou casais heterossexuais de 2009 até 2015. No final, 371 haviam se separado ou divorciado.
Designed by macrovector/Freepik

Quero o divórcio, mas ele (ela) não aceita

Mesmo o divórcio não sendo um procedimento simples do ponto de vista emocional, as partes têm que agir com sabedoria nesse momento, pois dependendo do caminho escolhido, o término da união pode ser mais fácil, ou se tornar bem mais complicado.

Muitos são os casos em que somente um dos dois quer pôr um fim na relação e o outro não aceita.

Pela nossa legislação, ninguém é obrigado a continuar casado ou coabitando se não quiser. Existem meios legais de cessar o casamento, além das formas consensuais.

Em recente decisão a juíza Karen Francis Schubert da 3ª Vara da Família de Joinville, admitiu pedido em caráter de tutela antecipada para decretação do divórcio antes da citação do réu – na fundamentação a magistrada afirma que sendo a vontade de um dos cônjuges elemento único e exigível para pôr a termo a relação conjugal, não se fazendo necessário o contraditório.

Eu acredito realmente que o litígio não é o modo mais desejável para que uma relação chegue ao fim, especialmente quando se têm filhos, já que a manutenção do diálogo é primordial para seguir, mas esgotadas todas as possibilidades consensuais, é o caminho a seguir.

 
DICA DA SEMANA

Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas

Livro - Ruth Manus

Essa obra me fez abrir o coração para inúmeras reflexões e hipóteses do cansaço feminino levantadas pela autora.

Por que estamos tão cansadas? Por que sentimos que o mundo está pendurado nos nossos ombros? Por que ainda pensamos tantas vezes antes de dizer alguma coisa? Por que ainda achamos que nosso trabalho é um concorrente da nossa família? 

Qual de nós mulheres não está ou não esteve perto da exaustão? A conclusão desta obra?  Pode ser mais leve se a gente abandonar alguns penduricalhos que realmente não precisam estar ali. Eu topo tentar, vamos?

COMPARTILHE COM ALGUÉM
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
COMENTÁRIOS

Carrinho

0

Nenhum produto no carrinho.

Tecle Enter para pesquisar e Esc para fechar